Mensagem do Provedor

A história apoia-se em documentos para poder afirmar a sua credibilidade. Apoia-se, também, em testemunhos credíveis que ajudem a eliminar hiatos documentais. Apoia-se também em vestígios que indicam a presença do homem ajudando a fazer juízos de valor e a refrescar o entendimento. Apoia-se de todos os elementos que possam conduzir à verdade histórica.

Nesta alegação e interpretação conceptual, conclui-se que para fazer a história de um País, povo, pessoa ou Instituição, tornam-se necessários pormenores que possam conduzir ao objetivo a atingir. No entanto, abstraindo as dificuldades na obtenção de informações que possam tornar difícil o projeto histórico da Santa Casa da Misericórdia de Vouzela, pensamos que alguma coisa de interesse e válido se conseguiu para se saber e compreender o fabuloso valor da obra que a Instituição tem semeado, em total doação ao próximo, em consonância com as Obras de Misericórdia.

A Instituição deverá ser entendida na justiça dos seus deveres sociais, na grandeza das suas iniciativas, no contexto da sua missão humanitária, de generosidade, de fé e solidariedade.

Pensamos que Vouzela está mais enriquecida, porque os seus pergaminhos históricos foram consideravelmente valorizados, porque acompanhou, desde a primeira hora, a mensagem misericordiosa que está na origem das Misericórdias e tem sabido transformar as flores que nascem espontaneamente nos campos e serras em pão para alimentar o corpo, ajudando os necessitados, construindo o futuro. Esta Misericórdia tem sido um alfobre de riquezas humanas que, desinteressadamente, zelaram e zelam, pelo bem-estar dos outros, acudindo-os nas maiores aflições, cuidando-lhes da saúde e mitigando-lhes a fome. Pensamos que a Instituição será compreendida na justiça dos desvelos sociais, na grandeza das suas ações, na multiplicidade das iniciativas e na neutralidade das atitudes protagonizadas pelos obreiros e continuadores da missão humanista, generosa de fé e de solidariedade. O manto protetor da Senhora das Misericórdias acolheu todos aqueles que se abeiraram da Sua proteção e pediram o Seu auxílio.

A Misericórdia de Vouzela honrou, sempre, os desígnios presentes na sua fundação, os propósitos do seu Compromisso. Reconhecemos que a Santa Casa da Misericórdia de Vouzela tem sido um alfobre de riquezas humanas que, sem interesses materiais, olham pelo bem-estar do próximo, acudindo-o nas suas aflições, cuidando-lhe da saúde, amparando-o nas suas necessidades ou adversidades, dando-lhe de comer e outras ajudas de que precisa. Homens que numa entrega total, sem objetivos de compensação monetária, responderam, de alma e coração, aos valores proclamados pelo Compromisso da Santa Casa da Misericórdia de Vouzela. Fundada em 15 de agosto de 1498, tem desenvolvido uma ação considerável e meritória, nas diversas vertentes, de saúde e sociais. Desde sempre que a Misericórdia de Vouzela teve Hospital. Primeiramente na Rua Direita, hoje, Rua Morais de Carvalho e, posteriormente, em S. Sebastião.

Desde 24 de Junho de 1894, até à nacionalização, manteve em funcionamento o hospital, onde cuidou da saúde a tantos e tantos vouzelenses e pessoas de outros concelhos.

Foi, ao seu tempo, um hospital exemplar.

Com a nacionalização, em 5 de maio de 1976, a Misericórdia de Vouzela voltou a sua ação para outras vertentes, criando um Jardim Infantil, uma Creche e Atividades de Tempos Livres para as crianças em idade escolar. Coberta esta faixa etária, tornava-se necessário atender outra, a 3ª idade, e, assim, construiu um Lar e Centro de Dia, mais tarde ampliado, para poder atender mais necessitados.

Mas era necessário atender outros jovens da 3ª idade que, por razões diversas, se encontravam em suas casas e, assim, criou, também, o Apoio Domiciliário. Vouzela tinha uma outra grande necessidade, a habitação, e esta também não foi esquecida, tendo, para isso, construído vários blocos habitacionais e de comércio e adquirido alguns prédios na vila, que mandou restaurar, destinados ao mesmo fim.

O culto também não foi desprezado, tendo mandado fazer profundas e importantes obras de restauro na sua Igreja (Igreja da Misericórdia).

A saúde não foi esquecida e, em novembro de 2002, abriu ao público uma Clínica (Clínica S. Frei Gil), onde são prestadas consultas de diversas especialidades, tratamentos dentários, enfermagem, análises clínicas e outros.

Mas no campo da saúde, não poderia ficar por aqui, haveria que proceder a obras profundas no seu hospital, que havia sido entregue pelo Estado, profundamente degradado e torná-lo útil.

Neste edifício também foram feitas obras de grande vulto, cujo custo já ultrapassou os três milhões de euros, tendo sido ali instalada uma Unidade de Cuidados Continuados de Saúde, que se encontra já em funcionamento desde o passado dia 8 de abril de 2008,onde funcionam vinte camas em Unidade de Longa Duração e

Manutenção, e onze camas em Média Duração e Reabilitação, pelo que os vouzelenses se podem orgulhar de terem na sua terra uma grande unidade de saúde e, porque não dizer, se não a melhor, das melhores do país.

A Santa Casa da Misericórdia de Vouzela não parou, não para, nem parará, pois, outras iniciativas irão aparecer.